Um problema é um factor gerador de soluções

Boas,

Todos nós sabemos a difícil situação financeira por que passa a Câmara de Ourém. A oportunidade para fazer grandes investimentos a nível de infra-estruturas, penso, já passou. E se a capacidade para tal já não existe, deve ser assumido o discurso de que nos próximos anos não se poderá apostar fortemente em infra-estruturas.

Embora tenhamos chegado a esta situação sem, por exemplo, um parque desportivo de qualidade, sem parques empresariais suficientes e estruturados que permitam dinamizar o concelho, não podemos cair no desânimo e assumir uma postura fatalista

Ainda há muito que pode ser feito bastando para isso apelar ao que melhor o concelho tem. Para as pessoas dinâmicas, um problema é um factor gerador de soluções.
(...)

Temos que ser criativos e acima de tudo passar a ser muito mais criteriosos e exigentes quanto ao dinheiro público que se gasta.

Se existe potencial e recursos há que os rentabilizar.
a) as poucas possibilidades de investimentos que há têm de ser realmente estruturantes e criadores de novas sinergias;
b) Fátima não é um problema, como muitas vezes se quer fazer parecer. Fátima é uma potencialidade imensa, e cabe aos órgãos políticos ter a visão, a estratégia e a capacidade para ultrapassar bairrismos, de modo a que aquela potencialidade seja devidamente aproveitada;
c) temos um conjunto enorme de gente empreendedora que praticamente sem ajudas, e muitas vezes com obstáculos, tem criado empresas e emprego e gerado riqueza. Há que ajudar os que já cá estão, e atrair os que podiam estar;
d) os pólos urbanos do concelho precisam de uma nova imagem (estradas, jardins, ordenamento do território);
e) e a maior potencialidade de todas são todos aqueles jovens altamente qualificados que não conseguem vislumbrar uma oportunidade para regressar e contribuir com o seu conhecimento, a sua energia e força da juventude de modo a participar na gestão da nossa terra.

Nós, todos, somos a maior riqueza que o concelho pode ter.

Mas para tal é preciso que possamos ter uma voz activa, de modo a que possamos realmente ter a noção de que podemos participar nos destinos do concelho



João Ricardo

2 comentários:

Poltergeist disse...

Sem dúvida alguma que assim é... Penso que poderemos procurar novas soluções para os problemas do costume... Considero que os investimentos em infraestruturas foram não mal, mas pessimamente seleccionados... Mas deixemos isso para outras alturas, o importante é mobilizar as pessoas no sentido de procurar soluções e crescimento de ideias, por as minhas ideias não são as melhores, são apenas ideias e muitas ideias juntas acabam por resultar em muitas soluções e melhores soluções. O pluralismo é sempre uma fantástica solução. Vamos Ourém, vamos crescer e ser maiores.

João Ricardo disse...

claro que continuam a haver investimentos que têm de ser feitos, defendo não investimentos em novas infraestruturas megalómanas, mas investimentos que melhorem algumas realidades existentes: sem dúvida a requalificação urbana de fátima (deve ser a única cidade que conheço que nao tem nem jardins, nem uma praça central - não sei o que é que a srufatima faz, precisamente por não se ver nada a ser realmente feito...) e mais ainda a requalificação do agroal.